Saiba quando indicar um consórcio imobiliário a seu cliente

Um corretor atualmente deve conhecer mais que o seu produto: deve conhecer seus clientes. Conhecendo as necessidades e a realidade dos mesmos, poderá aconselhá-los para além da escolha do imóvel; saberá facilitar todos os processos burocráticos e elucidar todas as possibilidades de decisões financeiras.

Uma dessas possibilidades é a do consórcio imobiliário. Uma opção muito específica que não é para todos, precisando então que o corretor tenha a sabedoria para indicar ou apoiar como opção para seu cliente. Para isso, é necessário entender como esse financiamento se dá e qual é a situação do seu cliente.

Caso você seja um corretor iniciante, vale procurar entender o que é tal fenômeno. O consórcio é um grupo de pessoas com um interesse em comum: o de adquirir um imóvel. A cada mês, os componentes do grupo contribuem com um valor específico, este sendo determinado conforme o valor de crédito que o consórcio estabelecer (contam com taxa de administração e por vezes fundo de reserva). Além das contribuições, todo mês um integrante é sorteado, adquirindo o valor necessário para comprar seu imóvel.

As vantagens desse procedimento são: a ausência de juros, o fato de que ele não exige valor de entrada, as taxas são menores e há menos burocracias que outros financiamentos. O cliente é quem escolhe o crédito desejado, o prazo e ainda o valor das parcelas, para que estas caibam em seu orçamento. É uma ação autorizada e fiscalizada pelo Banco Central, garantindo assim uma segurança legal para os que adentram o consórcio.

O corretor deve ainda atentar-se que é possível usar o FGTS para dar os lances ou mesmo para complementar o valor da carta de crédito do consorciado, devendo informar-lhe dessa vantagem.

A ideia do consórcio é de competir em igualdade perante condição de sorteio, porém há ainda a possibilidade dos integrantes ofertarem lances tendo interesse de antecipar sua contemplação.

Logo, não é um procedimento indicado a clientes com pressa em retirar o imóvel. É necessário entender o quanto de tempo seu cliente dispõe caso ele tenha interesse de se adentrar num consórcio. Além disso, renda ou saldo suficiente para lances que visem a aceleração de tal processo são também fatores que seu cliente deve compreender para que esse seja sua melhor possibilidade. Caso tais questões não estejam compreendidas na situação do seu cliente, a melhor alternativa será o financiamento, ainda que possua juros um pouco maiores.